Hipertexto . Ambientes Virtuais . Aprendizagem Colaborativa

Arquivo para a categoria ‘Moodle’

Um Pouco Mais Sobre Ambientes Virtuais…

Eu fiz um post sobre o ambiente virtual myUdutu e o Sérgio Lima comentou que temos também a opção do Dokeos. Quem quiser conhecer sem ter que instalar, pode utilizar o campus virtual da Escola Br para navegar no Dokeos. Depois me lembrei também do Tidia-AE, um software livre desenvolvido na USP (com apoio da Fapesp). O ambiente tem vários vídeos interessantes, divididos por assunto, mostrando como usar o ambiente. O vídeo que explica a estrutura e a concepção do ambiente é bem interessante. Ele apresenta algumas funcionalidades interessantes como a possibilidade usar uma espécie de MSN para conversas privadas dentro do ambiente (sempre achei que o Moodle tinha essa grave lacuna). É importante lembrar que temos vários ambientes que estão em construção com financiamento público, como é o caso do Amadeus, AE, Moodle e do próprio e-Proinfo. Não é possível que não vamos encontrar um ambiente com código aberto que conquiste corações e mentes…

Livro sobre o Moodle

Eu estava devendo esta postagem desde a semana passada. É que acaba de ser publicado o livro Moodle: estratégias Pedagógicas e Estudo de Caso, organizado pelas professoras Lynn Alves, Daniela Barros e Alexandra Okada. O livro reúne vários autores que abordam o Ambiente Virtual sob perspectivas diversas, como a questão da leitura e a escrita(Odbália Ferraz), O uso do Scorm (Antonio Carlos dos S. Souza e Lynn Alves), os estilos de aprendizagem (Daniela Melaré Barros), entre outros assuntos. Alguns temas são bastante instigantes como o uso de laboratórios virtuais no ambiente (João Batista Bottentuit Junior e Clara Pereira Coutinho) e o uso do Easy para deficientes visuais (Andre Rezende). A distribuição do livro está meio complicada para quem não está em salvador, mas existe a opção de adquirir o livro enviando uma mensagem para a editora (editora@listas.uneb.br). Boa leitura!

ALVES, Lynn; BARROS, Daniela; OKADA, Alexandra (Orgs.) Moodle: estratégias Pedagógicas e Estudo de Caso. Salvador: EDUNEB, 2009, 394p.

A Educação a Distância como Componente Curricular

Apesar de todas as minhas pretensões de passar os feriados juninos de papo pro ar, comendo canjica e milho assado, a realidade foi bem diferente. Passei a semana inteira corrigindo trabalhos, lançando notas e socorrendo alunos retardatários desesperados. Li e comentei cento e dez trabalhos e três monografias de especialização. Este é o quarto semestre que leciono a disciplina Educação a Distância no curso de Licenciatura em Informática, no CCT/UEPB. Ao longo destes semestres, a capacidade dos alunos em desenvolver propostas para a EAD vem aumentando de forma significativa. Não que os alunos estejam necessariamente mais habilidosos, mas a compreensão sobre as possibilidades da EAD e o uso da tecnologia a favor da educação vem evoluindo ao longo deste (curto) tempo. A minha proposta para o curso também foi modificada, venho aperfeiçoando a apresentação dos conteúdos a cada semestre. A grande dificuldade é mostrar aos alunos como se apropriar das ferramentas para elaborar estratégias de aprendizagem. Eles conhecem as ferramentas muito bem, já que estão no quinto período e aprendem rapidamente a usar o Moodle. Porém, encontram dificuldades em desenvolver o hipertexto para apresentar um conteúdo, por exemplo. Pela primeira vez consegui utilizar uma Wiki com sucesso, mesmo tendo outras experiências até na pós-graduação. Além dos trabalhos desenvolvidos ao longo do semestre, eles tiveram dois momentos de avaliação: a criação de uma aula no ambiente virtual e o desenvolvimento de uma atividade através de qualquer ferramenta (animação, webquest, hipertexto, podcast,etc.). Surgiram propostas excelentes, com vídeo-aulas no Camtasia, animações em flash, slidecasts, enfim, uma série de materiais não apenas bonitos visualmente, mas muito bem estruturados pedagogicamente.Apesar de não ser novidade, o feedback na avaliação é uma ferramenta poderosa que realmente estimula os alunos. Pena que nós professores nos acostumamos a considerar a nota como elemento principal da avaliação. Fiquei muito animada com o resultado e já estou pensando em desenvolver estratégias ainda mais arrojadas para a próxima turma. Quem quiser dar uma olhada na estrutura do meu Moodle, é só clicar aqui.O curso Hipermídias na Educação pode ser acessado por visitantes, o código é ead.

A Educação a Distância como Componente Curricular

Apesar de todas as minhas pretensões de passar os feriados juninos de papo pro ar, comendo canjica e milho assado, a realidade foi bem diferente. Passei a semana inteira corrigindo trabalhos, lançando notas e socorrendo alunos retardatários desesperados. Li e comentei cento e dez trabalhos e três monografias de especialização. Este é o quarto semestre que leciono a disciplina Educação a Distância no curso de Licenciatura em Informática, no CCT/UEPB. Ao longo destes semestres, a capacidade dos alunos em desenvolver propostas para a EAD vem aumentando de forma significativa. Não que os alunos estejam necessariamente mais habilidosos, mas a compreensão sobre as possibilidades da EAD e o uso da tecnologia a favor da educação vem evoluindo ao longo deste (curto) tempo. A minha proposta para o curso também foi modificada, venho aperfeiçoando a apresentação dos conteúdos a cada semestre. A grande dificuldade é mostrar aos alunos como se apropriar das ferramentas para elaborar estratégias de aprendizagem. Eles conhecem as ferramentas muito bem, já que estão no quinto período e aprendem rapidamente a usar o Moodle. Porém, encontram dificuldades em desenvolver o hipertexto para apresentar um conteúdo, por exemplo. Pela primeira vez consegui utilizar uma Wiki com sucesso, mesmo tendo outras experiências até na pós-graduação. Além dos trabalhos desenvolvidos ao longo do semestre, eles tiveram dois momentos de avaliação: a criação de uma aula no ambiente virtual e o desenvolvimento de uma atividade através de qualquer ferramenta (animação, webquest, hipertexto, podcast,etc.). Surgiram propostas excelentes, com vídeo-aulas no Camtasia, animações em flash, slidecasts, enfim, uma série de materiais não apenas bonitos visualmente, mas muito bem estruturados pedagogicamente.Apesar de não ser novidade, o feedback na avaliação é uma ferramenta poderosa que realmente estimula os alunos. Pena que nós professores nos acostumamos a considerar a nota como elemento principal da avaliação. Fiquei muito animada com o resultado e já estou pensando em desenvolver estratégias ainda mais arrojadas para a próxima turma. Quem quiser dar uma olhada na estrutura do meu Moodle, é só clicar aqui.O curso Hipermídias na Educação pode ser acessado por visitantes, o código é ead.

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.